Stranger Boy: Capítulo 11 – Nuvem de Mistério



“Ele anda pelas sombras, nem mesmo nossa própria sombra é confiável quando ele resolve agir.”

Um frio intenso resolveu se instalar de vez na cidade de Heaven Peace, fazendo com que todos utilizassem roupas pesadas que pudessem suprir o calor que faltava. Já havia se passado alguns dias, tudo corria bem, apesar de Evan e William serem ignorados por muitas pessoas que souberam do relacionamento que mantinham, mas o que os dois rapazes não sabiam é que estavam sendo vigiados por um homem que se mantinha atento à cada novo passo. William chegou cedo na casa de Evan, era um final de semana, ele queria fazer algo especial com o outro rapaz que já significava muito para ele. Evan saiu de casa sorridente, abraçando William em seguida, os dois se olharam e sorriram enquanto eram observados por Sara, que se mordia de ciúmes por ver o ex namorado e o garoto que foi seu pretendente, juntos, parecia realmente ser muita coisa para ela. Os rapazes tiveram a sensação de estarem sendo observados, então simultaneamente olharam para a casa de Sara, que por sua vez fechou a cortina.
– Você acha que ela tem raiva de nós dois? – Evan perguntou, começando a caminhar. William o seguiu, logo ao lado, pensativo com o questionamento.
– Raiva eu acho que ela não tem, Evan, mas mágoa com certeza sim. Eu também teria no lugar dela. – William respondeu, sorrindo na tentativa de deixar menos tenso o momento.
– Eu me sinto culpado, de alguma maneira, não sei explicar direito. – Evan comenta, cabisbaixo, andando vagarosamente.
– Não se sinta, Evan… tudo aconteceu como tinha que ter acontecido, acredito eu. – William disse, parando e fazendo com que Evan também parasse. – Você foi a melhor coisa que me aconteceu. – Continuou, segurando em uma das mãos de Evan, que levantou o olhar, esboçando um sorriso tímido mesmo conhecendo William de uma forma tão mais íntima. William tinha o dom de fazê-lo ficar tímido, de fazer com que ele sentisse como se fosse a primeira vez que estivessem se vendo. – Se existe um para sempre, quero compartilhar ele com você, garoto estranho. – Concluiu, puxando Evan para um abraço intenso, regado por sentimentos que faziam seus corações acelerarem as batidas.
Evan e William voltaram a caminhar, parecia algo despretensioso, em direção à floresta, mas não tão distante da estrada principal como fizeram da última vez que ali estiveram. Enquanto caminhavam, se abraçavam, beijavam-se, se divertiam apesar do frio que fazia. Não demorou muito, logo os dois rapazes estavam no lugar pretendido. William levantou Evan do chão, demostrando um pouco da sua força por conta do futebol e da malhação que fazia, o outro o olhou e sorriu, sendo colocado em seguida no chão, eles se beijaram como se fosse a primeira vez que fizessem, de fórum calma e prazerosa para ambos, sorrindo entre os beijos.
– Está bem, está bem! – Evan disse, saindo do beijo. – As coisas podem começar a esquentar aqui, não acha? – Indaga, sorrindo.
– Não seria má ideia! – William disse, pretensiosamente, segurando o riso enquanto observava a expressão de Evan. – Mas fique calmo, não trouxe você aqui para isso. – Pediu, sorridente. – Bom, eu precisava de um lugar assim, longe das outras pessoas, para que eu pudesse dizer o que há pra ser dito. – Diz, olhando nos olhos de Evan, que por sua vez começou a ficar intrigado com tudo aquilo, revezando em seu olhar o desejo de saber logo o que tinha pra ser dito por parte de William. – Eu queria levar você pra conhecer meus pais. – Disse, pausadamente enquanto observa a expressão admirada de Evan, que respirou um pouco aliviado por saber logo do que se tratava.
– Você tem certeza disso? – Evan perguntou, pensativo. William o abraçou repentinamente, apoiando a cabeça em seu ombro. William aproximou a boca do ouvido de Evan, que se arrepiou de imediato.
– Toda a certeza desse mundo! – William respondeu, certo do queria para o relacionamento que mantinham. Ele beijou uma das bochechas de Evan, seguindo lentamente para a boca. – Quero fazer você feliz, Evan, é só o que eu preciso. – Concluiu, beijando Evan intensamente.
Evan e William se beijavam, distraídos, vislumbrando o mar de amor no qual estavam se banhando. Entre os beijos, sorrisos afoitos, ambos muito envolvidos no que tinham. De repente, Evan sentiu uma picada próximo do pescoço, levando a mão rapidamente até o local, mas não teve tempo de ver o que era, pois desmaiou nos braços de William, que estava confuso, tentando entender o que aconteceu, logo que Evan caiu em seus braços, pode ver um homem logo à sua frente, sorrindo descaradamente enquanto mantinha uma arma em mãos. William deixou o corpo de Evan cair com cuidado sobre as folhas secas, então partiu sem medo para cima do estranho homem que ali estava, parecendo muito contente com o que acabara de fazer. William até tentou se aproximar do homem, mas foi impedido assim que sentiu uma forte pancada na cabeça que ele não pode identificar de onde vinha, logo aconteceram mais golpes rápidos, ele caiu no chão, desacordado.
– Bom trabalho, Charles! – O homem disse, abaixando a arma, notando que não haveria mais ameaça alguma que pudesse impedi-lo de seguir com o que planejou. Ele caminhou devagar até o corpo de Evan, que estranhamente suava em demasia. – Precisamos levá-lo para a base imediatamente. – O homem avisou, pegando Evan nos braços. Um vento forte se fez presente, fazendo com que os cabelos do estranho homem se movimentasse, logo à sua frente apareceu Charles, velho conhecido de Evan.
– Eu levarei ele até a base, Martín! – Charles disse, colocando à disposição. – Assim não corremos qualquer risco. – Continuou, estendendo os braços.
– Você tem razão… é mais rápido e mais seguro. – Martín concordou, colocando Evan nos braços de Charles. – Mas eu recomendo que se as asas dele crescerem, não olhe para ele em hipótese alguma ou teremos o mesmo episódio… e você já não está com tanto crédito assim com a organização. – Disse, voltando seu olhar para o corpo de William.
Charles concordou com um aceno de cabeça, ele sorriu e sumiu mais rápido do que uma piscadela, deixando apenas um forte vento pelo caminho. Martín deu uma última olhada para o corpo de William, então seguiu para dentro da floresta, colocando o capuz. Assim que Martín deixou o local, alguns passos foram denunciados pelo barulho que as folhas secas faziam, eles pararam próximo de William, que se mantinha imóvel, muito ferido.
Um aparelho que apontava incessantemente acompanhava o barulho do ar condicionado que se fazia constante. Ele abriu os olhos lentamente, ficando até mesmo um pouco incomodado com tanta claridade, demorou alguns minutos para a visão voltar ao normal, então ele voltou o olhar primeiramente para o lado esquerdo, observando atentamente o aparelho que muito se parecia com um monitor, em seguida olhou para o lado direito, vendo uma janela que estava fechada. William fechou os olhos, tentando se lembrar de alguma coisa, mas nada de útil veio à mente, ele abriu os olhos, voltando o olhar para a janela, na qual pode ver ao longe, a floresta que circundava a cidade de Heaven Peace, não entendia absolutamente do que estava acontecendo ou de como foi parar no hospital, tudo era vago demais.

CONTINUA

 

Anúncios

2 comentários sobre “Stranger Boy: Capítulo 11 – Nuvem de Mistério

  1. Caramba, estou totalmente em falta com você, Jair. Minha atualização não chegou, eu me afastei do blog por um tempo… Enfim. Ultimamente não me perco de mim, pq eu sou eu, kkk. Parabéns pela trama. ❤

Então, o que você achou? Deixe sua resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s