O Que o Tempo Levou: Penúltimo Capítulo  (34)



20170529_204916-1


ANO DE 2017

CENA 1: ONDAS DO PARAÍSO | ESTRADA | EXTERIOR | FIM DA MANHÃ

Os bombeiros conseguem depois de minutos sofríveis, tirar Bianca do meio do carro amassado, ela está consciente, mas muito machucada. Estela que já chegará há alguns minutos, se aproxima da irmã, que é imobilizada na maca.  Estela chora ao ver a irmã naquele estado. Bianca vê a irmã mais nova se aproximando, ela deixa a emoção falar mais alto e chora.

BIANCA: – Desculpa por tudo, Estela… de verdade, eu deveria ter parado. – Ela diz com a voz falha. O médico se aproxima, tentando levar Bianca de uma vez para o hospital. – Eu quero falar com minha irmã. – Bianca diz, respirando com certa dificuldade. Estela se aproxima um pouco mais de sua irmã.

ESTELA: – Você fez isso tudo por causa do quê, Bianca? – Questiona ainda sem entender. – Eu realmente tentei entender o que podia ter acontecido pra você ter armado tudo aquilo contra mim.

BIANCA: – Ódio, Estela! Simplesmente isso… eu descobri que não era filha da nossa mãe e do nosso pai, eu fui adotada bem novinha, e quando descobri isso, senti um ódio muito grande de você, pois você sim era filha deles. Nosso pai e nossa mãe não podiam ter filhos por conta de um erro no exame, então deram um passo pra adoção… mas claro que esse engano não durou muito. – Conta, pausadamente, deixando Estela atônita. – Mas eu me dei conta tarde demais do que eu estava fazendo, de como estraguei sua vida, mas eu não podia contar, tudo saiu do meu controle. – Continua, olhando para o nada.

Estela olha para a irmã com pena, segurando a mão dela. Ambas se olham de maneira intensa. A irmã mais nova abraça a irmã mais velha.

ESTELA: – Eu deveria te odiar, mas eu não consigo, Bianca. Você é minha irmã, sempre foi e sempre será. – Diz, a abraçando. Bianca retribui o abraço.

Estela percebe que Bianca começa a perder as forças que restam, deixando o abraço se afrouxar. Bianca sorri de forma delicada para a irmã e fecha os olhos, falecendo. Estela fica arrasada, voltando a abraçar o corpo da irmã já sem vida.


CENA 2: ONDAS DO PARAÍSO | PEDRA FINA 

A manhã termina com Estela dando a notícia para a mãe da morte da irmã. Carmen fica abaladissima, procurando consolo na filha mais nova. As duas choram a morte de Bianca.

Em Pedra Fina, Frau Herta continua escondida em um sítio afastado na zona rural. Ela fica sabendo da morte de Bianca, e acredita que tudo saiu muito melhor do que ela queria. O dia passa.

Todos estão no enterro de Bianca em Ondas do Paraíso. Estela chora sob o túmulo da irmã. Maurício consola a noiva com um abraço apertado. Uma chuva intensa cai, obrigando à todos voltarem para casa. A manhã passa rapidamente, assim como a tarde, a chuva não dá trégua.

Emílio passa a noite na casa dos Ferreira, ficando no quarto ao lado do de Renato, que por sua vez espera que tudo se acalme na casa, e espia o delegado. A noite se vai.

DIAS DEPOIS 


CENA 3: ONDAS DO PARAÍSO | BAIRRO ROMANO | CASA DOS FERREIRA | QUARTO DE MAURÍCIO E ESTELA | INTERIOR | MANHà

Estela se encontra vestida de noiva, ela olha pela janela, pensativa. A porta do quarto então se abre, Carmen entra, trajando um vestido verde e elegante, ela se aproxima da filha.

CARMEN: – Eu sei que onde ela estiver, está feliz por você. – Ela diz, tocando na mão da filha. – E hoje é seu dia, filha, você vai se casar com o homem que ama. – Continua, fazendo com que Estela se vire.

ESTELA: – Eu sei, mãe. – Afirma, abraçando Carmen, que sente como a filha está emocionada. – Eu quero que esse dia seja lindo. – Comenta, abrindo um sorriso.

CARMEN: – E será, minha filha. – Ela afirma, convicta do que diz. – Agora vamos, pois o motorista nos espera. – informa, sorridente.

Ambas saem do quarto devagar.


CENA 4: ONDAS DO PARAÍSO | BAIRRO ROMANO | CASA DOS FERREIRA | EXTERIOR | MANHà

Um carro preto está parado em frente à casa dos pais de Maurício. Um homem parece estar um tanto impaciente ao volante, mas sorri assim que vê Estela e Carmen saindo da casa, ele olha pelo espelho retrovisor.

HOMEM: – Estejam preparados rapazes! – Ele diz, sorridente. – A encomenda vem aí.

Assim que mãe e filha se aproximam do carro, elas são rendidas e demaiadas. Estela é colocada no banco detrás do carro enquanto Carmen fica caída na calçada. O carro arranca.


CENA 5: ONDAS DO PARAÍSO | CASA DE PRAIA DOS FERREIRA | EXTERIOR | MANHà

Emílio observa olhar para ele de longe, e sem enrolar, resolve se aproximar do rapaz, intrigado. Renato finge  que não estava  olhando, e se movimenta para sair, mas Emílio segura o seu braço, os dois se encaram frente a frente. Emílio olha  bem para o rosto de Renato, que por sua vez também faz o mesmo, ficando cabisbaixo.

EMÍLIO: – Posso saber o motivo de você me encarar tanto? Desde o dia em que fui na casa dos pais do Maurício, você não tira os olhos de mim ou é impressão minha. – Indaga de forma calma.

RENATO: – Não é nada… Emílio, somente curiosidade. – O jovem responde sem convicção alguma. Emílio segura de forma leve no queixo de Renato, que levanta o olhar.

EMÍLIO: – Quando quiser me dizer a verdade, eu estarei esperando. – Diz, esboçando um leve sorriso, deixando Renato um pouco fora de si enquanto o observa se afastar.


CENA 6: CASA DE PRAIA | EXTERIOR | MANHà

No altar montado na areia da praia, Maurício está bastante nervoso. Rosa se aproxima do filho, sorrindo, ela o abraça.

ROSA: – Ela já deve estar chegando, filho, não se preocupe, pois é normal a noiva se atrasar assim. – Diz, tentando deixar o filho um pouco mais calmo.

MAURÍCIO: – Se ela se atrasar mais um pouco, vou ter um troço aqui mãe. Eu sei que ela já deve estar a caminho, mas eu não consigo controlar minha ansiedade. – Comenta, nervoso e ansioso.

Clodoaldo se junta à  mulher e ao filho.

CLODOALDO: – Se você soubesse o quanto sua mãe demorou no casamento dela, estaria muito feliz por esperar a Estela agora. – Diz, brincalhão. – Ela já vem, você vai ver! – Afirma, confiante.


CENA 7: ONDAS DO PARAÍSO | EXTERIOR | MANHà

O carro no qual onde Estela está junto de mais três homens segue em alta velocidade pela rodovia. Logo o veículo é desviado para uma região próxima do mar. Estela começa a despertar, o carro desacelera. Os três homens saem do carro.

Frau Herta está encostada em outro veículo de cor preta, tem um notebook nas mãos. Os homens se aproximam dela.

HOMEM 1: – É toda sua! – Diz, abrindo a porta do carro. – E assim que você conseguir,  transfira a minha parte. – Orienta, sorridente. Frau Herta concorda.

Frau Herta segue até o carro onde está Estela. Os outros três homens vão embora no carro em que ela estava. Frau Herta abre a porta traseira do carro e entra se sentando ao lado de Estela,  que por sua vez está meio tonta, mas consegue reconhecer Frau Herta.

ESTELA: – Frau Herta? – Indaga assustada e surpresa. Ela tenta abrir a porta, mas desiste ao sentir um cano de uma arma em sua nuca.

FRAU HERTA: – Vamos combinar uma coisinha, Estela… você me dá o que quero, e você sai daqui sem nenhum arranhão, mas do contrário, você vai se arrepender de ter nascido. – Propõe, sorridente.

ESTELA: – E o que… e o que você quer? – Questiona sem entender.

FRAU HERTA: – Eu quero a fortuna que é minha, que sempre foi minha. Aquele dinheiro não era pra estar nas suas mãos, não era. – Responde,  pressionando a arma contra a nuca de Estela.

Estela está bastante assustada. Ela olha de soslaio para Frau Herta, que pega o notebook, que por sua vez está aberto, pedindo uma senha específica.

CONTINUA


1498508938

Anúncios

Então, o que você achou? Deixe sua resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s