O Que o Tempo Levou: Capítulo 13


20170529_204916-1


Ano de 2009

CENA 1: PEDRA FINA | CASA DE JORGE | SALA | INTERIOR | NOITE

Carmen sai do táxi, que segue. Ela olha para a fachada da casa do irmão, então se encaminha para a porta. Carmen toca a campainha.

Do lado de dentro, Estela, nervosa, está próxima da porta. Ela abre a porta logo que ouve o som da campainha. Carmen se vê frente a frente com a filha mais nova outra vez. As duas se abraçam, emocionadas.

ESTELA: – Desculpa, mãe! Desculpa por ter feito isso com a senhora.

CARMEN: – Eu entendo seus motivos, filha, eu entendo por que de ter feito isso, Estela.

ESTELA: – Tudo isso foi muito prejudicial a senhora, mãe. – Afirma enquanto sai do abraço.

Estela se senta no sofá, logo sua mãe se senta no outro, estão próximas uma da outra.

CARMEN: – Foi você quem sofreu mais nisso tudo, filha. Eu fiquei desesperada quando aquele policial ligou dizendo tudo o que aconteceu, mas você também sofreu muito… – Ela faz uma pausa enquanto observa o semblante da filha. – Mas eu tenho que lhe dizer que tudo isso foi precipitado demais, Estela. O Maurício me contou tudo que aconteceu de verdade. – Ela suspira enquanto segura na mão de Estela. – Aquela moça que você viu foi namorada dele muito antes de você, mas eles já haviam terminado, bom, pelo menos ele havia terminado. O que você viu foi o ataque de uma mulher que não se conformou de perder. – Diz, olhando nos olhos da fila.

ESTELA: – Ele me procurou, mãe?

CARMEN: – Sim, naquela mesma noite em que tudo aconteceu com você. Depois disso ele não ficou em paz, filha. O Maurício realmente ama você.

ESTELA: – Eu não sei o que dizer, mãe.

CARMEN: – Eu sei, filha. Você estava insegura com tudo e acreditou no que viu pela primeira vez, você se sentiu usada, traída… mas aquieta esse coração, pois o Maurício te ama de verdade. – Diz, abrindo um sorriso, que aumenta assim que vê a filha mais nova sorrindo.


CENA 2: ONDAS DO PARAÍSO 

O movimento de veículos é pequeno. Algumas pessoas passeiam com seus animais de estimação na orla da praia. Um carro vai outro vem pela rua da casa dos Ferreira.


CENA 3: ONDAS DO PARAÍSO | BAIRRO ROMANO | CASA DOS FERREIRA | QUARTO DE MAURÍCIO | INTERIOR | NOITE 

Maurício anda desolado pelo quarto, em suas mãos está a carta que causa tal situação. Ele para próximo da janela, seus olhos estão cheios de lágrimas, seus pensamentos se reportam aos momentos de carinhos que teve com Estela.

MAURÍCIO: – Como pode uma pessoa esconder isso tão facilmente? Eu realmente fui um idiota por ter acreditado, por ter me doado de corpo e alma para essa relação. – Diz enquanto enxuga algumas lágrimas.

Maurício está sentindo muita raiva, seu punho está cerrado, com a outra mão, amassa a carta enquanto se lembra de Estela. Alguém bate na porta do seu quarto, é Rosa, preocupada.

ROSA (Do Outro Lado da Porta): – Filho, está tudo bem?

MAURÍCIO: – Eu quero ficar sozinho, mãe. Me deixa sozinho.

ROSA (Do Outro Lado da Porta): – Quando quiser conversar, saiba que estarei aqui.

MAURÍCIO: – Obrigado, mãe! – Agradece enquanto fita o papel amassado na palma de sua mão.


CENA 4: ONDAS DO PARAÍSO | PEDRA FINA

A noite passa rapidamente, logo vem a manhã que também passa com rapidez, deixando a tarde chegar e passar com pressa. Outra noite logo vem, assim como outra manhã.

DIAS DEPOIS 

Maurício está muito magoado, continua pensando em Estela e na carta falsa que tem em seu poder, carta essa que Estela diz ter ficado com ele apenas por interesse.

Bianca está confiante de que seu plano deu certo e espera pela volta de Maurício até a sua casa para que assim possa dar o próximo passo. Ela recebe o telefonema da mãe avisando que logo estaria voltando para casa com Estela.

Estela agradece ao tio por ele ter cuidado dela, Jorge se despede da sobrinha e da irmã, que retornam para Ondas do Paraíso.


CENA 5: ONDAS DO PARAÍSO | BAIRRO COSTEIRO | CASA DOS BELMONTE | MANHà

Maurício sai do carro e segue para a porta da casa de Carmen, ele toca a campainha na esperança de que ela já tenha chegado da tal viagem que fez.

Bianca olha para o relógio de parede, sabe que a mãe e a irmã chegarão logo, pois ligaram avisando. Ela se levanta e segue até a porta ao ouvir a campainha. Bianca fica admirada ao ver Maurício ali, ela sorri.

BIANCA: – O que faz aqui? – Pergunta um tanto surpresa.

MAURÍCIO: – Vim saber se sua mãe já chegou, Bianca, eu preciso mesmo falar muito falar com ela, pois preciso tirar muitas dúvidas que me rodeiam.

BIANCA: – Você não acreditou naquela carta? – Questiona, espantada.

MAURÍCIO: – Eu percebi que não posso acusar uma pessoa que já não está mais entre nós, preciso ouvir a sua mãe. – Responde deixando Bianca um tanto assustada, já que se Maurício perguntar a Carmen, esse saberá da verdade.

Bianca consegue perceber que um táxi se aproxima, logo ela identifica a mãe dentro do carro, sentada no banco do carona. Assim que o táxi para, Bianca olha para Maurício e de súbito o beija. Maurício é pego totalmente desprevenido pelo beijo de Bianca. Estela e Carmen saem do carro no momento e se deparam com tal cena.

ESTELA: – Maurício! – Diz em bom som.

Maurício afasta Bianca, ele ouve a voz de Estela e se vira, os dois ficam um de frente para o outro. Estela deixa escapar algumas lágrimas ao ver tudo se repetindo. Maurício dá alguns passos na direção de Estela, parece analisar a mulher que ama, e os olhos arregalados revela uma certa surpresa por vê-la ali, já que todos diziam que ela havia morrido.

MAURÍCIO: – Eu… – Tenta dizer, mas é interrompido por Estela.

ESTELA: – Eu sei o que houve aqui. – Diz com firmeza.

Estela passa por Maurício, deixando ele pensativo. Bianca está parada no pequeno degrau e recebe uma bofetada vigorosa em um lado de sua face que a faz cambalear. Estela encara a irmã mais velha com muita raiva.

ESTELA: – Você se aproveitou disso, não foi? – Pergunta com muita raiva.

BIANCA: – Acredito que você tem muito mais a explicar, Estela. – Diz passando a mão no local em que levou o tapa.

Estela mantém o olhar firme sobre a irmã.

MAURÍCIO: – Onde você esteve, Estela? – Pergunta ao se aproximar novamente dela. – Você… eu recebi sua carta, é, eu recebi. – Diz com mágoa.

Estela o olha com surpresa. Os dois de olham como há dias não se olhavam.

ESTELA: – Eu não deixei carta alguma, Maurício. Quando eu sai daqui, quando eu estava daquele jeito depois da festa, eu não conseguia pensar direito, não tinha cabeça para escrever carta. – Responde, firme. Ela volta seu olhar para o lugar onde Bianca estava, mas não a vê.


|||AMANHÃ|||

Bianca é expulsa de casa depois de ser descoberta. Estela e Maurício tentam se acertar. Bianca vai atrás de Maurício e algo muito ruim acontece. 


CONTINUA 

Anúncios

Então, o que você achou? Deixe sua resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s