O Mago: Capítulo 15 (Terceira Temporada)

Destino

Parte 3

S03E15


Reino de Saran

Zaro segue com Eran preso em suas cordas enfeitiçadas , leva o jovem herdeiro do trono até o grande pátio do castelo. Algumas pessoas param  o que estão fazendo e ficam a observar o que se desenrolam, outros querem  estar  longe dali o mais rápido possível, mas todos parecem  estar  decepcionados, pois enxergavam em Eran um rei justo, que conseguiria libertar o seu povo de todo sofrimento. Eran olha para a grande  fogueira armada  a sua frente.

– Vai ser rápido, querido sobrinho, você nem mesmo sentirá que passou por esse mundo. – Afirma Zaro antes de sorrir de maneira diabólica.

– Você não vai conseguir, Zaro. – Grita o jovem ao encarar seu tio, que pára de sorrir no mesmo instante.

– O Que você está aprontando, Eran? Deixe-me ver! – Zaro toca na cabeça  de Eran, que bloqueia seu pensamento.

Todos se assustam ao verem a fogueira desaparecer, e uma luz de grande intensidade surgir em seu lugar fazendo com que Alim, Aron, Perion, Oniria apareçam. Zaro deixa de olhar para o seu sobrinho  e olha  para o grupo que o encara,  e volta seu olhar para Eran.

– Então é isso que você escondia. Saiba que ninguém poderá salvá-lo, sobrinho imprestável. – Diz Zaro sorridente.

– Largue-o, Zaro, imediatamente! – Ordena Alim retirando a espada da bainha, uma lâmina brilhante e cortante é vista, fazendo com que Zaro olhe para o rei do Reino Central de Viturius.

– Você não pode me dar ordem, Alim, não em meu território. – Afirma o rei usurpador sempre mantendo um sorriso sarcástico.

– Esss sorriso dele me irrita. – Pensa Perion já olhando com raiva Zaro.

– Se você não quer se render por bem, então vai se render por mal, Zaro. – Ameaça Alim avançando os passos, mas pára ao ver vários cavaleiros de Saran se aproximar bem armados.

– Isso mesmo, meus guerreiros, protejam o seu rei. – Diz Zaro convencido da lealdade de sua tropa, mas se surpreende ao ver que todos viram em sua direção lhe apontando arcos com flechas e espadas. – Traidores, todos vocês! – Grita Zaro. – Se afastem ou o rapaz morre. – Ameaça ao fazer as cordas apertarem ainda mais o pulso  de Eran.

Os guerreiros se afastam com medo de que Zaro cumpra sua ameaça de ceifar a vida do verdadeiro rei de Saran. Perion observa  tudo com atenção, e tem uma ideia, mas não consegue levar adiante, pois Zaro ouve seus pensamentos.

– Nem pense nisso, jovem feiticeiro. – Diz Zaro depois de ouvir o pensamento de Perion.

Oniria se junta a Alim com sua espada também em punho, estão prontos para tudo, mas não para o que veem. Aron começa a caminhar em direção a Zaro, ele olha para Alim que tenta entender.

– Eu vou ficar bem, prometo! – Diz Aron ao passar por Alim. – Eu amo você. – Sussurra.

Alim confia em seu amado, mas teme que algo de ruim possa lhe acontecer, porém deixa que Aron faça o que tem de fazer, seja qual for o resultado final.

– O que temos aqui, o mago dos magos em minha presença.  – Comenta Zaro quando Aron se aproxima um pouco mais dele. – O que você quer, jovem mago? – Questiona Zaro.

– Solte o Eran e me tome como seu prisioneiro, Zaro. – Responde Aron.

Zaro começa a tentar ler os pensamentos de Aron, mas não consegue.

– Quer mesmo fazer isso, jovem mago? A vida desse ser pequeno vale mais do que a sua? – Pergunta Zaro intrigado com a atitude de Aron.

– Não se trata de vida, pois sei o que você quer realmente, Zaro e eu tenho o que você procura. – Responde Aron.

– Realmente comovente, você ceder sua magia para salvar a magia de outro. – Diz Zaro ao afrouxar a corda de Eran. – Trato feito, jovem mago. – Sorri o bruxo.

Eran se solta e passa por Aron o tocando.

Rerov Sinarto Everanza. – Pronuncia Eran depois de tocar em Aron. – Eu lhe dou tudo o que tenho para despertar o que está adormecido em você. – Diz Eran se afastando de Aron, que se aproxima de Zaro.

Zaro ao tentar tocar em Aron é repelido e se assusta.

– O que foi isso? – Questiona ao ver sua mão vermelha em brasa. – Desgraçado, você não tem palavra! – Esbraveja estendendo a mão na direção de Aron. – Oluprozan Ergrato Zaranto. – Pronuncia Zaro com extrema raiva.

Aron estende a sua mão na tentativa se proteger de alguma forma, pois tem medo, mas arregala suas pupilas ao ver sua mão absorvendo o feitiço de Zaro. Todos olham admirado para Aron.

– Ele recuperou a magia dele. – Diz Alim admirado.

– Isso não é nada, jovem mago. – Afirma Zaro sorridente. – Nada do que você tenha ou faça poderá me deter, de nenhuma maneira vocês irão assistir minha queda, uma queda que jamais existirá.

– O que você pretende? – Questiona o mago analisando a expressão de seu oponente.

O jovem mago se vê de frente para um mistério que não pode desvendar, mesmo que use todos os dons permitidos pela magia. Ele tenta fazer uso de sua habilidade de ouvir pensamentos alheios, mas não consegue, a mente de Zaro se mostra assombrada demais e bloqueada. Aron aguarda uma resposta, mesmo temendo qual será, pensa em muitas coisas, até cogita a possibilidade do bruxo estar mentindo somente para mantê-los assustados enquanto prepara sua fuga, mas percebe que o oponente se mantêm no mesmo lugar, com o mesmo sorriso de satisfação.

– Você logo verá o que pretendo, Aron. – Responde Zaro quebrando o silêncio misterioso que se instalou.

Recra qzara erabran. – Pronuncia Eran pegando a todos de surpresa, principalmente Zaro, que é atingido em cheio pelo feitiço e cai ao chão próximo de Aron.

Eran retorna para perto de Aron, e Zaro se levanta rapidamente segurando o sobrinho pelo pescoço.

– Seu pai não foi páreo para mim, e você também não será, rapaz tolo. – Afirma enquanto os olhos ficam totalmente negros. – Fui bonzinho demais, Arpza Engronta Rebera. – Pronuncia irritado jogando o sobrinho longe. Eran cai aos pés de Perion. – Agora é sua vez, Aron de Nilrem. – Diz olhando com raiva.

Aron ainda não se deu conta de que sua magia adormecida agora despertara novamente, e por isso ao sentir  as mãos pesadas de Zaro em volta de seu pescoço, teme que seja o fim de sua jornada, o fim de sua vida. Eran se levanta  com a ajuda de Perion, e não consegue ficar em pé, então se apoia no aprendiz de Aron. Alim olha para Aron, e teme que ele não tenha recuperado a magia de verdade, então muda seu passo.

– Não vou deixar que ele o mate, mão mesmo. – Afirma Alim olhando para Oniria, e avança em seguida para perto de Zaro, que prevê o ataque do rei de Viturius.

Rebelaru Ocrasia! – Pronuncia o bruxo fazendo com que uma coluna de Pedra se levante entre ele e  Alim, que cessa seu ataque.

Zoria Ebrema! – Pronuncia Perion tentando desfazer o feitiço de Zaro, porém só consegue fazer um buraco na parede de Pedra que se levantou com o feitiço de Zaro.

Alim que está próximo da parede se surpreende ao notar que não há mais ninguém do outro lado, e se desperta também ao ver que Aron foi levado.


Terra Perdida

Zaro mantêm Aron preso em um campo de energia poderoso, logo estão de frente para o Castelo onde os conselheiros da magia fazem sua morada, e o jovem deduz o que o bruxo realmente quer, e isso o deixa ainda mais assustado, pois acha que não pode fazer nada para impedir. Zaro deixa Aron preso próximo de uma grande pedra e se aproxima ainda mais do castelo.

– Assim que eu destruir esse lugar, toda a magia será minha. – Diz enquanto retira do bolso de seu casaco Preto, um cristal vermelho e se vira para Aron, que tenta entender de uma vez o que é aquilo. – Vê esse cristal em minha mão, jovem Mago? – Pergunta apontando o objeto. – Esse cristal marca o início do meu reinado, do meu júbilo, da minha era. – Conta sorrindo antes de dar as costas para Aron.

Aron pensa em tudo que se tornou nos últimos tempos, pensa em seu irmão, nos seus amigos e no povo de toda Viturius, ele fecha os olhos e se vê frente a frente com Cermo, Eiran, Norin e Mácala, os conselheiros da magia.

– O Que eu posso fazer? – Questiona Aron aos conselheiros que se levantam de suas cadeiras suspensas no ar.

– Vejamos o que você pode fazer, Aron. Você pode fazer tudo. – Responde Cermo.  – Você pode construir, destruir, Consertar, Retirar, são inúmeras as coisas que você pode fazer. – Conclui voltando seu olhar para os outros conselheiros.

– Sem Magia eu não posso muita coisa, meus amigos. – Aron lamenta deixando que algumas lágrimas caiam.

– Você próprio se engana, jovem mago. Sua magia nunca foi embora, sempre esteve com você, o que acontece é que o feitiço daquela flor é muito poderoso e só uma pessoa que confiou em você sem tê-lo conhecido é que poderia quebrá-lo, e Eran fez isso por você, fez isso por todos nós. – Afirma Mácala dando as mãos para os outros conselheiros. – Você ainda tem toda nossa magia a disposição, não podemos mudar o que os outros conselheiros decidiram com relação a Zaro, mas você pode fazer isso, você pode mudar tudo.

Aron abre os olhos e vê o cristal nas mãos de Zaro brilhando de forma intensa, e uma luz azul de mesma intensidade sair do castelo sendo imediatamente sugada pelo Castelo. Aron  mantêm  seu olhar fixo no cristal, os olhos se tornam violetas assim como a ponta do cristal, e o jovem não tem mais dúvidas, com u,a força impressionante, ele consegue quebrar o poderoso feitiço que não o deixa mexer os braços e nem as pernas, de imediato estende a mão na direção do cristal.

Ezarapo Troza Manzaran Ropre Imiro. – Diz Aron e em questão de segundos, o cristal que Zaro  segura se parte por inteiro fazendo com que a luz azul que estava ficando presa, retorne ao Castelo.

Zaro vê o cristal se tornar cinzas, ele volta o olhar para Aron, que está levantado, se mostrando aliviado por ter conseguido destruir um objeto que continha poderosa magia.

– Insolente, Mago insolente! – Grita Zaro. – Rero Imir Zan.  – Pronuncia Zaro encaminhando o feitiço na direção de Aron, que segura e absorve a magia deixando o bruxo mais uma vez impressionado e com receio. – Me cansei de você, me cansei de tudo  e de todos, infeliz, você não me deu escolha.

– O seu lugar não é aqui, Zaro, essa é a sua última chance para se render. – Diz Aron.

– Você jamais conseguirá me vencer, rapaz, jamais, e tudo isso só é o começo. – Afirma Zaro voltando a estender sua mão na direção de Aron.

Aron prepara o seu feitiço em mente, diferente de Zaro que estende a outra mão e olha com muita raiva.

Igrativi Banu Verotra Maropoza Qparia. – Pronuncia Zaro um feitiço que Aron até então desconhece.

Uma nuvem negra se forma no céu estrelado e desce até o chão tomando a forma de um furacão. Aron pronunciame intensifica seu feitiço que atravessa o feitiço de Zaro, mas não o pára. Zaro que acho ter sido protegido pelo seu feitiço, é atingido pelo feitiço de Aron, e reduzido a pó de forma imediata. Aron por sua vez se surpreende ao ver que tal feitiço feito pelo bruxo não se acabou, agora o que parecia ser um furacão, avança como uma fina camada de névoa.

Froma Rerebia. Pronuncia na tentativa de conter estranho feitiço. Uma parede mágica se forma em toda a extensão da terra perdida impedindo a passagem da névoa. – O que será isso? – Aron se questiona olhando para além de parede mágica, e se espanta ao saber do que se trata, se assustando um pouco mais ao não ver o Castelo que servia de morada para os conselheiros. – Eu tenho que avusar à todos.

Aron desaparece rapidamente. A parede mágica se rompe deixando que a névoa passe.


Reino de Viturius

Lion, Galbo e Moran estão na sala do trono, preocupados com o que possa ter acontecido com seus amigos, e se surpreendem ao ver Aron  aparecer.

– Irmão, você recuperou sua magia. – Diz Lion se encaminhando até  Aron.

– Desculpa, Lion, mas não há tempo para dizer nada, pois há algo muito tenebroso  acontecendo, venham comigo. – Diz Aron chamando os três para perto.

Galbo se prepara e se aproxima de Moran, Lion e Aron, e desaparecem na velocidade da Luz.


Reino de Saran

Perion enfim consegue derrubar a parede  de Pedra, no  momento em que Aron  aparece com os outros. Alim se aproxima de Aron.

– Aron, você está bem? – Questiona o rei.

– Sim, mas há algo na terra perdida que pode selar nossos destinos nesse reino, Alim. – Responde o jovem mago se mostrando preocupado. – Antes de eu vencer  Zaro, ele lançou um feitiço de banimento, eu não sabia que o era, por isso  não pude fazer nada, mas tentei contê-lo, porei não sei quanto tempo vai durar. – Conta Aron  para todos.

Oniria se aproxima de rei e mago que estão de frente para todos.

– Temo que não há nada a ser feito, pois esse feitiço é poderoso demais até mesmo para as nossas magias, os nossos instrumentos, somente os conselheiros poderiam nos ajudar. – Diz Oniria.

Aron abaixa a cabeça.

– Eles foram os primeiros a serem banidos. – lamenta o jovem mago. – Se eu tivesse descoberto, todos estaríamos a salvo.

Alim lança um olhar de conforto para Aron, que sente um frio estranho, não pelo olhar, mas pelo vento frio que sopra de repente, então ele se vira e vê a névoa  que ele pensou ter deixado em Terra Perdida, se aproximar. Lion, Perion e Eran se aproximam do mago, que olha para os seus amigos.

– Todos juntos! – Pede Aron estendendo suas duas mãos na direção da névoa. – Froma Rerebia. – Pronuncia os três ao mesmo tempo criando um campo mais resistente de magia. A névoa pára.  Todos se olham apreensivos.

Perion percebe o campo de magia ser desfeito, e tenta conter o avanço da névoa, mas não consegue, e desaparece rapidamente ao ser tocado por ela, assim acontece com os outros que vão desaparecendo. Não resta mais ninguém no Reino de Saran e a mesma névoa se dissipa ao passar por cima do castelo. Olhos vermelhos brilham na escuridão próximo da janela da torre  mais alta.

O fim pode ser apenas o iniciar de algo muito maior

Anúncios

Então, o que você achou? Deixe sua resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s