O Mago: Capítulo 13 (Terceira Temporada)


Destino

Parte 1

S03E13


O dia está começando a amanhecer, a neve cai rapidamente e logo forma um tapete Branco em todo o chão do pátio do castelo, um silêncio impressionante se instala ao redor e dentro do castelo de Viturius, o frio se aproxima ligeiramente. Aron observa a neve cair, está com o peito descoberto, veste apenas uma calça de algodão enquanto observa o sol apontar timidamente no horizonte gelado. O Mago sente braços quentes o envolverem, lábios já conhecidos tocar seu pescoço o deixando inteiramente arrepiado, ele deixa de admirar o nascer do sol e se põe a olhar nos olhos daquele que tanto ama. Os olhares de ambos se cruzam com uma força invisível que impede que qualquer um desvie o olhar. Alim mexe nos cabelos de Aron, que não perde o foco e sorri como se já soubesse o que seu rei quer lhe perguntar.

– Eu estou bem, Alim. – Aron afirma tocando as mãos do rei, que se fecha entorno das suas, é nítida a diferença de temperatura entre elas. – Por mais que seja difícil me acostumar sem a magia, eu me encontro bem. – Finaliza tocando o rosto de Alim, que por sua vez se arrepia com o frio nas mãos de Aron.

– Você tem a mim, aos seus amigos. Você está com quem lhe ama muito, Aron. Não quero vê-lo triste, não quero vê-lo sofrendo. – Diz o rei puxando Aron para um abraço apertado com muita energia. – Encontraremos um modo de você recuperá-la, pequeno. – Ele promete enquanto aproxima seus lábios dos de Aron para um beijo matinal demorado.

Alim envolve Aron em seu abraço ao beijá-lo de forma intensa e contínua. O rei se move devagar para trás levando o mago consigo e se deitam novamente na cama enquanto se beijam.


Um jovem rapaz caminha ao lado do gigante Ornobo em meio a densa neve que se acumulou na floresta do Sul durante toda a noite, estão devidamente protegidos do frio, e seguem o mais rápido que podem. Eran, o jovem rapaz pára de repente enquanto Ornobo segue um pouco mais parando assim que se dá conta de que o jovem ficara para trás.

– Você não vem, Eran ? – Pergunta Ornobo olhando para o jovem que continua parado observando tudo a sua volta com um certo fascínio desmedido. – Você não vem? – Insiste o gigante pensando que Eran não o tivesse escutado.

Eran passa a olhar para o gigante que está a uma certa distância dele, a expressão em seu rosto muda radicalmente, um sorriso enigmático se sobressai em seus lábios vermelhos em contraste com a neve abaixo dele.

– Eu seguiria com você, Ornobo, mas depois do que eu vi assim que Motâmia partiu, não tenho vontade nenhuma de seguir com meu raptor. – Responde Eran de forma séria ao olhar para Ornobo.

– Escuta, Eran, eu iria lhe contar. – Afirma Ornobo dando alguns passos na direção do jovem, que por sua vez se afasta lentamente.

– Não se aproxima de mim, Ornobo. Você me tirou dos meus pais, me roubou deles e ainda os matou! – Grita Eran perdendo a paciência, em seu rosto é visível a raiva que está sentindo por ter sido enganado.

– Eu não os matei, Eran, eu não fiz isso. – Diz o gigante na tentativa de acalmar as coisas. – Eu posso explicar tudo o que ocorreu, meu jovem. – Afirma Ornobo.

– Mentiras e mais mentiras contadas a baldes, Ornobo! – Grita Eran. – Eu não quero ouvir suas explicações, não quero ouvir mais mentiras que só vão me prender ainda mais. – Diz o jovem com toda certeza do que realmente quer.

Ornobo se aproxima um pouco mais de Eran, que estende as suas mãos deixando em sua mente um feitiço pronto para usá-lo caso seja necessário.

– Você me ouvirá mesmo que não queira isso. Você deve saber que os gigantes travaram sim uma batalha contra o Reino de seu pai que fica na parte sul, mas todos nós fomos usados, e no último instante da Batalha em que saímos todos perdedores, seu pai lhe confiou a mim, a sua proteção. Eu não o roubei, não invadimos o Reino de Saran por desgosto, mas sim por Motâmia nos ter enganado. – Conta Ornobo enquanto vê a expressão de Eran mudar novamente.

Eran chora e se ajoelha no chão após saber de tudo, uma história que se escondeu por tantos anos. O jovem levanta sua cabeça e enxuga as lágrimas rapidamente, ele volta a olhar para o gigante, que fica a espera de algo ser dito.

– Eu quero voltar para minha casa, Ornobo. Eu quero estar entre os meus. – Afirma Eran com a certeza estagnada em cada palavra pronunciada com leveza após o choro.

Ornobo é sabedor de que esse dia chegaria, então ele apenas olha para o pequeno jovem a sua frente e se lembra do pedido que seu pai fez antes de morrer.

– Será como o senhor quer, Eran. – Diz o gigante ao mudar a direção de seus passos. – Vamos, pois há uma longa caminhada até o Reino de Saran.

O gigante sai a frente e Eran segue os passos da criatura na neve sem dificuldades. As nuvens encobrem o sol dando mais força para a nevasca.


Galbo limpa suas botas em um pequeno quarto próximo da cozinha do castelo, ele está distraído e não nota a porta se abrir, mas se assusta ao sentir mãos pousarem sobre seu ombro deixando que a escova caia, então olha para o lado e vê Lion. Lion sorri para Galbo.

– Agradeço pelo susto não ter sido maior. – Diz Galbo voltando a pegar a escova que caiu.

– Você parece estar triste. – Comenta Lion observando o semblante de Galbo.

– Só estou pensando em tudo o que houve com seu irmão, em tudo o que mudou nesses últimos dias. – Explica o cavaleiro terminando de limpar suas botas, e voltando seu olhar para Lion. – O que você tem em mente? – Pergunta Galbo percebendo a expressão do jovem feiticeiro.

– Eu estive lendo em alguns livros, e descobri que pode haver um modo do meu irmão recuperar a magia dele, mas para isso preciso de um guerreiro Valente, destemido para me ajudar em uma missão. – Responde Lion aos sorrisos. – Você conhece algum guerreiro assim? – Indaga na tentativa de ser ajudado.

Galbo pega sua espada e coloca no cinto enquanto é observado por Lion, que aguarda ansiosamente por uma resposta.

– Você pode me dizer o que você planeja de uma vez? – Galbo devolve. – Só poderei ajudar depois de me dizer o que você tem nessa sua cabeça. – Afirma ao deixar esparramado os cabelos de Lion.

– E eu só poderei dizer depois que você disser que irá me ajudar no que pretendo fazer. – Afirma Lion sorrindo e sendo encarado por Galbo.


Oniria treina com sua espada no pátio do castelo, vários golpes que se aperfeiçoam a cada movimento acertado. Perion observa a guerreira treinar logo de manhã, exaustivamente. Oniria dá uma pausa em seu treinamento e segue até próximo de Perion.

– O que lhe preocupa rapaz? – Pergunta a guerreira ao se sentar ao lado do feiticeiro.

– Esse silêncio todo me preocupa, Oniria. Algo me diz que a paz não vai durar muito tempo e que algo grandioso se aproxima silenciosamente. – Responde Perion ao olhar para a guerreira.

– Nós estaremos preparados, não estaremos? Você com o que sabe e com o que o mago dos magos lhe ensinou, e eu com tudo o que me tornei para o caso desse silêncio não significar uma coisa boa. Vamos torcer para que o Lion tenha de fato encontrado um modo do Aron recuperar a magia dele. – Diz Oniria.

– Eu faço qualquer coisa para ver o mestre com toda a magia dele novamente, Oniria. Eu devo minha vida a ele. – Comenta o feiticeiro voltando seu olhar para a janela do quarto de Alim.

Os guardas abrem a sala do trono para que Aron entre, e assim que ele adentra, Alim vem ao seu encontro como se tivesse precisando urgentemente da companhia de seu companheiro, um sorri para o outro.

– Mais um motivo para que eu fique feliz com sua presença, Aron. Você não ficar horas naquele quarto já me deixa aliviado. – Comenta o rei ao abraçar Aron.

– Prometo que não vou me dar por vencido, Alim. – Diz Aron antes de abrir um belo sorriso.

– Logo você estará ao meu lado em definitivo, Aron, prometo isso a você. – Afirma o rei se afastando um pouco de Aron, que sorri entendendo do que se trata tal promessa.

Aron se afasta de Alim e segue para próximo da janela, os pensamentos são tantos, principalmente sobre os súditos do rei o aceitar alí. Alim se aproxima tirando Aron de seus pensamentos duvidosos quanto a tudo que viveu até aqui.

– Eu faço uma ideia no que você deve estar pensando, por isso peço você não se atormentar com tais pensamentos, pois tudo já está decidido e eu viverei ao seu lado doa a quem doer. – Diz Alim ao segurar nas mãos de Aron. – Não importa o que será dito, e caso não me queiram mais como rei, existe a possibilidade de estarmos em outro lugar com todo nosso amor.

Alim olha para a porta que se abre, então Galbo entra rapidamente e pára próximo dos dois fazendo a reverência.

– Milord, gostaria de lhe pedir algo. – Diz Galbo ao levantar seu olhar encontrar o olhar do rei.

– Diga o que quer, meu amigo. – Pede o rei.

– Eu gostaria de levar sir Lion para um passeio, mas para isso terei que me ausentar do castelo, seria possível? – Pergunta o cavaleiro.

– Sim, pode ir, e não se preocupe com nada, Galbo. Faça um bom passeio. – Responde Alim.

– Obrigado, Milord. – Galbo agradece enquanto deixa a presença de Alim e Aron.

Alim volta seu olhar para Aron, que sorri com o que acabara de acontecer.

– O Lion deve estar aprontando algo, Alim. – Diz Aron mantendo um sorriso no rosto. – Ele não é de fazer passeios.

– Pode ser que tenha mudado, Aron. Em todo caso, ele estará com o Galbo e tudo ficará bem. – Afirma o rei voltando a se aproximar de Aron. – E você estará ao meu lado pra sempre. – Diz Alim antes de beijar Aron.


Eran segue o gigante pelo caminho, já passa do meio dia, mas nenhum dos dois se mostra cansado, o vento gelado que outras ocasiões poderia ser desanimador, agora demonstra o contrário. O jovem feiticeiro olha para os lados desejoso de chegar no dito Reino de Saran.

– Se eu soubesse como viajar com magia, nada disso seria necessário. – Eran pensa alto.

– Você tem muito o que aprender, Eran e não será da noite para o dia ou em um simples passe de mágica. – Afirma Ornobo parando e fazendo com que Eran também pare. – Chegamos! – Diz O gigante ao avistar o Castelo.

Eran fica ao lado de Ornobo, e olha admirado para o Castelo a sua frente, ele olha para o gigante.

– Obrigado por tudo, Ornobo. – Diz Eran dando alguns passos a frente e voltando a olhar para o gigante. – Será que eu serei bem recebido? – Pergunta cheio de dúvidas.

– Não há como ser diferente, meu jovem. Você e ninguém mais é o herdeiro desse trono e assim que souberem de seu retorno, a verdadeira coroação ocorrerá. – Responde Ornobo. – Quando precisar, é só me chamar, foi um prazer cuidar de você. – Afirma.

Eran sorri e segue em direção ao Castelo que fica um pouco escondido entre imponentes árvores. Ele caminha por entre as casas que ficam ao redor do castelo, as pessoas o olham desconfiadas, mas o reconhecem, pois se parece muito com o pai. Eran por sua vez apressa os passos até o portão do castelo, nunca esteve sozinho, mas agora parece que sim, e isso o deixa assustado.

Um homem jovem, trajando roupas pretas corre pelo corredor do castelo até entrar de maneira assustada em uma grande sala na qual há um homem de meia idade sentado a mesa segurando uma pena a olhar para os papéis em cima da mesa a sua frente, ele levanta o olhar ao ver o jovem homem entrar com certa pressa.

– Já lhe disse para não entrar dessa maneira, Romo. – Diz o homem de meia idade ao largar a pena no tinteiro próximo dele.- O que houve? Está com essa cara por qual motivo? – Questiona o homem.

– Milord Zaro, ele retornou, o pequeno menino retornou para o Reino, aquele que todos achavam ter sido devorado pelos gigantes. – Responde Romo.

– Impossível! – Grita Zaro derrubando as coisas da mesa e seguindo para perto da janela. – Saia, Romo. – Ordena o homem com grande raiva.

Romo sai e assim que a porta se fecha, Zaro se vira.

– Isso não era pra ter acontecido, fiz um trato com aquela maldita bruxa e agora de nada me adiantou. Meu sobrinho está de volta, maldição. – Diz Zaro enfurecido. – Mas ninguém vai tirar o trono de mim, ninguém vai ameaçar o meu reinado. – Afirma o homem voltando para perto da janela e olhando para fora, logo ele vê o rapaz no pátio, e se enche ainda mais de raiva.

CONTINUA

Anúncios

3 comentários sobre “O Mago: Capítulo 13 (Terceira Temporada)

  1. Curti muito esse capítulo, quanto a Aron e Alim a trama está mais tranquila, mas entendo, Aron está sem poderes e é bom eles terem um descanso depois de tantas coisas acontecendo, a parceira entre Lion e Galbo está muito boa, estou adorando as cenas deles juntos. Cada dia melhor!

Então, o que você achou? Deixe sua resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s