Coração de Pedra: Capítulo 15

20170124_193149


| ROSA DO BARÃO, CASA DE EDUARDO, VARANDA, EXTERIOR, MANHÃ

Eduardo fica paralisado com a revelação de Helena, tudo contado de uma única vez o deixa sem ação. Eduardo olha para Helena.

EDUARDO:  – Qual o motivo para você não ter me contado isso antes, Helena?

HELENA: – Tente entender, Eduardo, foi difícil pra mim! Eu não conseguia confiar mais em você, em olhar pra sua cara. Eu errei, mas agora estou tentando consertar esse meu erro.

Eduardo volta a se sentar e fica pensativo. Eduardo não sorria há muito tempo, mas ao ficar sabendo que Felipe é seu filho, ele sorri.

EDUARDO: – Um filho. Eu tenho um filho. Isso é surpreedente, é maravilhoso.

Eduardo ri.

HELENA: – Do que você está rindo, Eduardo?

EDUARDO: – De uma coisa que o Felipe, meu filho… ele me chamou de pai antes de desmaiar naquele dia.


|| APARTAMENTO DE DEMÉTRIO, SALA, INTERIOR,  MANHÃ

Demétrio está furioso após saber que Isaque sabe de tudo. Emanuel está sentado ao lado dele, preocupado.

EMANUEL: – O que vamos fazer, Demétrio? E se o Isaque falar com o Eduardo, aí sim será difícil de convencê-lo a desistir dessa tal justiça que ele tanto procura.

DEMÉTRIO: – Eu já sei o que faremos, Emanuel! Fique tranquilo, pois hoje mesmo resolverei isso.

Demétrio se levanta do sofá, ele pega o celular e faz uma ligação a encomedar um serviço. Demétrio encerra a ligação, e sorri.

DEMÉTRIO: – Tudo resolvido! Hoje mesmo me livro do Eduardo.

EMANUEL: – Tenho medo, Demétrio.

DEMÉTRIO: – Medo do que?

EMANUEL: – De descobrirem tudo. Eu não quero ser preso!

DEMÉTRIO: – Tranquilize-se Emanuel. Tudo está dando certo, não vamos ser presos, acredite, tenho tudo sobre controle.


||| ROSA DO BARÃO, CASA DE HELENA, COZINHA/SALA/QUARTO, INTERIOR/EXTERIOR, MANHà

Felipe está comendo seu sanduíche na cozinha quando ouve um barulho estranho vindo da sala.

FELIPE: – O que aconteceu aí Zuleica?

Sem obter resposta, ele segue até a sala e a empregada está rendida por alguns homens encapuzados e armados. Felipe se assusta com tal cena e corre para o quarto dele, dando tempo somente pra ele avisar Gerusa do que está acontecendo. Um dos bandidos invade o quarto de Felipe e o segura, levando ele em seguida para sala. Felipe tenta se soltar, mas é  algo em vão.

ZULEICA: – Menino Felipe, não lute, não reaja!

BANDIDO 1: – Cala a boca! – Ele grita batendo em seguida na cabeça de Zuleica com a arma. A empregada desmaia.

Felipe é encapuzado e amarrado, em seguida colocado dentro de um carro preto que os bandidos usam.

BANDIDO 2: – Vai levar ele pra aquele lugar mesmo, chefe?

BANDIDO 1: – Sim! E anda logo. Pisa fundo!

Felipe só pensava na mãe e no que está acontecendo. Os bandidos aceleram o carro e partem.


|||| ROSA DO BARÃO, CASA DE GERUSA, SALA, INTERIOR, MANHÃ

Gerusa está conversando com o marido, Saulo,  quando recebe a mensagem de Felipe, ela se assusta ao ler a mensagem.

SAULO: – O que houve, Gerusa? Você ficou pálida derrepente.

GERUSA:  – O Felipe… parece que está havendo um assalto na casa da Helena!

SAULO: – Tenta ligar para o Felipe.

GERUSA: – Já tentei, mas ele não atende. Estou preocupada! Tenho que avisar a Helena, Saulo. – Diz ela colocando o celular próximo do ouvido.

SAULO: – Avise! Eu vou tirar o carro pra que possamos ir até lá.


||||| ROSA DO BARÃO, CASA DE EDUARDO, VARANDA, EXTERIOR, MANHÃ

Helena fica feliz em saber que tal notícia alegrou Eduardo. O celular dela toca e é Gerusa. Assim que o aparelho é desligado, Helena desmaia na frente de Eduardo,  que por sua vez a segura. Logo ela acorda e Eduardo fica preocupado.

EDUARDO: – O que aconteceu, Helena?

HELENA (chorando): – Ele foi sequestrado, Eduardo. O Felipe está nas mãos de bandidos!

EDUARDO: – A gente vai encontrar ele, Helena. Tenha certeza disso.

Eduardo abraça Helena,  que pousa sua cabeça no ombro dele e chora.


|||||| ROSA DO BARÃO, CASA DE DENIS, SALA, INTERIOR, MANHÃ

Denis está disposto a tudo, e Virgínea o repreende por ter despertado sua raiva contra Eduardo. Denis olha para fora pela janela.

VIRGÍNIA: – Tem certeza que você quer isso realmente? Eu pergunto isso por saber que você não é nada disso, você não é uma pessoa que tem um coração de Pedra, por mais que a vida quisesse assim.

DENIS: – Eu sei Virgínea, mas ele tirou meu pai de mim. Tenho que fazer alguma coisa!

VIRGÍNIA: – Esse homem já pagou pelo que fez! E nem sabemos se ele realmente foi culpado, Denis.

DENIS: – Como não, Virgínea? Ele foi condenado!

VIRGÍNIA: – Isso não quer dizer nada, meu filho! Algo me diz que tem algo de muito errado nisso tudo.

Denis encara Virgínia por um curto instante.

DENIS: – Ele é culpado, Virgínia! Eu mostrei os documentos pra você. Odeio ele!

VIRGÍNIA: – Não diga isso, Denis. E o que seu pai te ensinou? Se perdeu? Você era muito novo quando tudo isso aconteceu, e não se deve deixar caminhar pelos passos dos outros. Conversa com o Eduardo, tenta entender o que se passou.

DENIS: – Não vou conversar com um assassino! Me recuso a isso.


||||||| ROSA DO BARÃO, CARRO/RUA, INTERIOR/EXTERIOR,  MANHÃ

Ricardo está seguindo para a casa quando recebe o telefonema de Gerusa avisando sobre o que  aconteceu com Felipe. Ricardo está chegando perto de casa, vê Isaque sendo colocado a força em um carro suspeito. Ricardo acelera pra cima do carro onde Isaque foi colocado. A batida é forte, mas necessária para que Ricardo assuste os dois homens que ameaçavam Isaque. Os dois correm em fuga , e Ricardo consegue tirar o Isaque do carro.

RICARDO: – Você está bem, Isaque?

ISAQUE: – Agora sim, mas por um instante pensei que morreria!

RICARDO: – O que eles queriam com você, Isaque?

Ricardo solta as amarras de Isaque.

ISAQUE:     – Uma longa história, Ricardo. Uma longa história.

Isaque conta o que sabe e o que suspeita para Ricardo, porém Ricardo continua com a certeza de que foi Eduardo quem matou Paulo.

ISAQUE: – Você não acredita nisso que eu lhe contei, Ricardo?

RICARDO: – Isso tudo me parece muito fantasioso, amigo. Não consigo acreditar.

ISAQUE: – Você pode estar cometendo um grande erro, Ricardo.

Isaque segue na direção oposta da casa de Helena.

RICARDO: – Onde você vai, Isaque?

ISAQUE: – Vou pra casa! Quero descansar depois disso tudo!

RICARDO: – Não pode, Isaque. Se tudo for como disse, você corre perigo.

ISAQUE: – Não me preocupo com isso, Ricardo.

RICARDO: – Mas eu me preocupo. Você é como um irmão pra mim.


|||||||| ROSA DO BARÃO, CASA DE EDUARDO, TARDE

Denis está impaciente com tudo o que sabe e o que deseja saber, e por isso resolve ir até a casa de Eduardo. Escurece quando ele por lá chega e é informado de que Eduardo saii há um bom tempo. Denis fica furioso, pois quer olhar para Eduardo, quer falar tudo o que está entalado.

DENIS: – Eu volto amanhã! Não vou desistir de ficar cara a cara com você, mas dessa vez será a última vez.


||||||||| ROSA DO BARÃO, CASA DE HELENA, SALA, INTERIOR, TARDE

Gerusa e Saulo estão a todo momento ao lado do telefone, esperando se os sequestradores façam contato. Eduardo ampara Helena que está muito abalada. Ricardo  chega com Isaque, e não gostou nada de ver Eduardo alí.

RICARDO: – O que ele faz aqui? – Ele pergunta enquanto encara Eduardo com muita raiva.

CONTINUA

Anúncios