O Mago: Capítulo 10 (Segunda Temporada)

20161219_184230

A Safira de Arba, O cálice de Mortori e o Coração da Fênix 

Parte 2


Brozan caminha de um lado para o outro, tem um espelho nas mãos,  ele olha constantemente e sorri, vê algo que realmente parece ser de seu agrado, algo que o fascina completamente. O espelho que Brozan segura começa a emitir uma luz forte, e logo  o velho feiticeiro é sugado para dentro do objeto, mas não contra sua vontade.

O velho feiticeiro agora caminha por um grande salão cercado por espelho, em cada um desses espelhos é possível ver algo como a visão de um futuro próximo ou até mesmo distante. Brozan se aproxima de um dos gigantescos espelhos.

Rapletno Urabrato Icnobra. -Pronuncia Brozan tocando no espelho.

No espelho em que Brozan toca aparece a imagem de Alim padecendo nas águas do lago gelado, está sozinho, afunda não só nas águas, mas também no desespero por estar sozinho, por não ter ninguém pars lhe tirar dalí.  O velho feiticeiro Brozan sorri enquanto assiste a cena que o espelho mostra.

– Muito bom, realmente não poderia ser melhor, vê-lo se afogando e ninguém para ajudar, pobre coitado, terminará como realmente começou, sem ninguém.

Brozan deixa de tocar o espelho, que rapidamente muda a imagem mostrada, agora o sorriso do feiticeiro desaparece por completo, ele se ajoelha no chão.

– Não, isso não pode acontecer, eu não deixarei que isso aconteça, meu futuro não será isso não depois de ter conseguido acabar com o tão amado rei Alim.



Alim monta em seu cavalo, e Aron faz o mesmo, Lion se aproxima do cavalo em que o irmão está montado, os dois se olham.

– Tem certeza que você fará isso, Aron? – Lion questiona ao levantar a cabeça. – Pode ser arriscado demais. – Lion insiste ao olhar fundo nos olhos de Aron.

– É o melhor jeito de parar o Brozan, Lion.

– Então deixe que eu vá com você, Aron, posso ser útil. – Pede Lion tocando na mão esquerda de Aron.

– Eu sei disso, mas Viturius precisará mais de você agora do que nunca. Eu prometo que voltarei, Lion, não se preocupe.

– É bom que retorne mesmo. – Sorri Lion na tentativa de quebrar a tensão que se estabeleceu.

Aron olha para Galbo, que por sua vez se aproxima de Lion.

– Cuida do meu irmão, Galbo.

– Não precisa nem pedir, Sir. – Diz Galbo pousando o braço no ombro de Lion. – Eu cuidarei muito bem dele.

Aron fica aliviado ao ouvir tais palavras, pois não se perdoaria caso algo acontecesse com seu irmão. Aron sai em disparada no cavalo, Galbo e Lion o observam se afastar no horizonte.

Aron logo alcança Alim, que havia saído na frente. Alim olha para Aron que agora vai devagar.

– Você ainda não quer que eu vá, não é mesmo? -Pergunta Alim.

– Eu ficaria mais tranquilo sabendo que você está seguro no Castelo. – Admite o mago.

– Eu nunca poderia deixar você sozinho, por mais que o meu maior dever tenha que ser com o povo de Viturius, mas você é quem eu amo, e não posso perdê-lo mais uma vez, não suportaria. – Diz Alim enquanto fita os olhos de Aron.

– Obrigado por estar comigo. – Aron dá a mão para Alim, que aperta com carinho antes de levar próximo dos lábios e beijar.

– Qual é o primeiro objeto que devemos encontrar? – Pergunta Alim com entusiasmo.

– A Safira de Arba, Alim, a pedra mais poderosa da antiga magia. -Responde Aron. – Ela está em algum lugar das montanhas gêmeas.

– Na divisa com o Reino do Norte? É um território hostil, Aron. Mas nós conseguiremos. – Alim está confiante.

Os cavalos se rei e mago vão cada vez mais rápido, possuem pressa de pegarem o segundo objeto antes de Brozan.



Enquanto Alim e Aron cavalgam em direção às montanhas gêmeas, Brozan sai do espelho completamente enraivecido, tanto por saber que pode morrer pelas mãos de Aron como por também não fazer ideia de onde fica o paradeiro do Cálice de Mortori.

– Preciso ter esses objetos que possuem magia irreversíveis para concluir os meu planos. Eu sei onde a Safira está e tenho certeza de quando eles chegarem será tarde demais, ela já estará em minhas mãos. Arapato Ibarano Motabra! – Pronuncia Brozan desaparecendo mais rápido de que um raio.

O espelho que Brozan segurava, agora cai no chão e se despedaça.



Brozan reaparece aos pés das montanhas gêmeas, ele corre seus olhos em volta, verifica se há alguém por perto, o local é escuro mesmo o sol estando alto. O feiticeiro caminha devagar até uma grande parede de pedra que há bem a sua frente, ele começa a sentir a parede até que consegue encontrar o que procura para abrir uma passagem. Brozan toca em uma abertura, suficiente para caber uma mão, e logo a parede começa a desfazer, Brozan entra sorridente.

Aron e Alim chegam no mesmo local onde Brozan acabara de entrar. Aron desce do cavalo e estranha a passagem já estar aberta.

– Ele já está aqui, Alim. – Avisa Aron.

Alim saca sua espada que emite um brilho intenso e suga os dois rapidamente. Aron e Alim vão parar dentro de um grandioso salão, em seu Centro eles podem ver uma linda joia flutuando, é a Safira de Arba, Aron caminha até ela.

– Cuidado, Aron. – Pede Alim.

Aron está muito próximo de pegar a Safira quando ouve barulho de espadas em batalha, ele se vira e vê Alim agora sem espada mas BA mira de uma e quem a empunha é Brozan.

– Deixe ele ir, Brozan! – Pede Aron.

– Deixarei quando eu tiver os três objetos em minha posse. Agora me passe o Coração da Fênix e a Safira de Arba.

Aron tenta usar magia, mas não consegue, nem mesmo Brozan consegue, então sem alternativa e com medo de perder Alim, ele entrega o colar de seu pescoço e a Safira para Brozan que solta Alim.

– Muito bom fazer negócios com você, Aron, e que pena não ter trazido seu irmão, ele poderia ser bem útil.

Brozan sai andando, Aron se aproxima de Alim, que tenta se levantar, mas não consegue sozinho, então Aron o ajuda.

– Eu vou levar você para o Castelo.

– Quem é rei aqui sou eu, Aron, logo eu decido se voltaremos para o Castelo. – Geme Alim sentindo uma de suas pernas dolorida. – E eu decido que devemos continuar nossa jornada.  Qual seria o próximo objeto?

Aron encara Alim.

– Você é muito teimoso, Alim. – Afirma Aron enquanto apoia Alim para não cair. – O próximo seria o Cálice de Mortori, um poderoso objeto que nas mãos erradas pode ser o fim de toda a paz que desfrutamos.

Alim e Aron saem do local, a passagem se fecha, eles se desequilibram e cai um em cima do outro. Aron se levanta e olha para a perna de Alim que está sangrando. O Mago se abaixa e toca a perna do rei.

Dolusa Raparame! – Pronuncia Aron com os olhos totalmente azuis.

Alim sente e vê o ferimento se fechar, ele olha admirado para Aron.

– Você nunca me contou sobre isso, Aron.

– Eu estou desenvolvendo aos poucos meus dons, Alim.

– Obrigado, Aron. – Agradece Alim enquanto segura a mão de Aron.

Aron se levanta, dá as mãos para Alim que também fica de pé.

– Já mudou de opinião ou ainda quer ir atrás do Cálice ?

– Eu não costumo voltar atrás em minha decisão, Aron. Você sabe onde está?

Aron pensa em mentir, mas não consegue.

– Eu sei, eu posso me conectar a magia desses objetos.

Alim olha para sua espada.

– Ela também sente, Aron. – Diz Alim olhando para a espada.

Alim empunha a espada que os suga novamente. Logo o mago e o rei estão em cima de um lago congelado, Aron se assusta, Alim segura Aron.

– Sem movimentos bruscos, Aron, isso pode quebrar.

Aron consegue ver algo brilhando abaixo deles, ele consegue desobstruir a visão e vê o Cálice de Mortori.

– Eu Achei, Alim. – Comemora Aron.

Aron se vira e fica de frente para Brozan.

Solapaviru Notrovita! – Pronuncia Brozan.

Aron é pego de surpresa,  logo é arremessado longe pela força do encantamento, o gelo se quebra e ele cai dentro do lago congelado. Brozan olha para o Cálice e com o seu olhar ele o puxa para superfície, um pedaço do gelo se rompe e o Cálice para na mão dele. Quando Brozan se vira recebe um golpe de espada morrendo instantaneamente, os três objetos caem, seu corpo começa a se desfazer, e desaparece no vento gelado. Alim corre pelo lago congelado e mergulha no local onde Aron caiu, chega em um ponto que a luz do sol não ajuda  mais, e Alim se vê perdido naquela imensidão de água, até sentir o abraço de Aron, os dois começam a nadar para a superfície, e alcançam. Assim que os dois conseguem sair da água gelada, uma mulher com uma capa roxa se aproxima.

– Vocês pagarão pelo que fizeram com o meu pai, vocês pagarão caro. – Diz a mulher exibindo os três objetos reunidos em sua mão, ela desaparece depois de se transformar em uma cinza e densa fumaça.

Mago e Rei estão de mãos dadas, eles se olham e perdem os sentidos.

CONTINUA

Anúncios

12 comentários sobre “O Mago: Capítulo 10 (Segunda Temporada)

  1. MEUUUUUUUUUUUUU DEUZUUUUUUU!!!! Eles perderam os objetos…quem é a mulher???? Vaca!!! KKKKKKKKKk Amigo, amei o capítulo!!! Nossa, adorei… e foi meio que nostálgico, mesmo sendo diferente, sei lá, a cena do lago me lembrou Harry Potter e as Relíquias da Morte, quando a espada de Grynffindor está no fundo do lago congelado e Harry precisa mergulhar para pegá-la 🙂 🙂 😀 … foi bom relembrar! E adorei a reviravolta na história meu querido! 😀 😉

Então, o que você achou? Deixe sua resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s