O Mago: Capítulo 11




Reino de Viturius

Luniadi sorri para Alim, que tem seu olhar fixo na mulher mais perversa que o Reino de Viturius já presenciou.

– A vida dele depende da sua, Alim.

Alim olha para Aron, que faz força pra se manter de olhos abertos.

– Não aceite nada que ela propor, por favor.

Alim segura a mão de Aron com suavidade.

– Eu não me submeterei a qualquer coisa que ela disser, Aron. Você é parte de mim, vou cuidar de você.

Luniadi se irrita.

– Eu não tenho todo tempo Viturioso! Decida de uma vez, Alim.

Aron olha para Luniadi, que está ansiosa por uma resposta.

– A vida do Aron sempre dependeu da minha, e a minha vida sempre dependeu da dele desde o primeiro dia.

– Que emocionante! Estou profundamente emocionada com essa declaração -Luniadi sorri- mas agora ele está morrendo e você só tem eu para ajudar.

– Não preciso de você ou de sua magia negra, Luniadi.

Alim aperta a mão de Aron.

Olucric Ratnemele !   -pronuncia Alim enquanto segura a mão de Aron-.

– NÃO! DE NOVO NÃO! -Grita Luniadi-.

Luniadi é puxada com grande força para dentro do círculo essencial que é formado.

Odinab Mes Onroter! -pronuncia Luniadi-.

O feitiço de Luniadi é lançado, seu Centro de magia é retirado por completo. Aron levanta a cabeça, e aponta para a espada de Alim, que pega a arma.

– Temos que sair daqui! -Aron fala enquanto tosse- o efeito do feitiço passará logo, mas temos que sair.

– Pra onde iremos, Aron?

– Nova Metrópole, Alim, é o único lugar em que podemos ficar.

Alim empunha a espada, que se ilumina, ele pensa em Nova Metrópole, logo a luz da espada os suga.


Nova Metrópole 

Alim cai ao lado de Aron, que segura sua mão. Os dois olham para o céu, algumas gaivotas voam, o barulho das ondas do mar pode ser ouvido.

– Não entendi, Aron. Qual o motivo de estarmos aqui?

– A Luniadi lançou o feitiço do banimento eterno, não podíamos ficar naquele reino, Alim.

– Você está melhor?   -Alim olha para Aron-.

– Sim! Obrigado por ter me salvado. -Aron aperta a mão de Alim-.

– Esse papel é seu! – Alim toca a face de Aron com a mão direita- como será agora?

Aron vira o rosto e fica de frente para Alim.

– Teremos que arranjar um jeito de ficar por aqui!

– Eu não queria abandonar o Reino outra vez.

Os dois ficam se olhando.

– Garanto que não será por muito tempo. O centro de magia que compartilhamos só precisa ser restaurado.

– Eu não sei como viver fora do Reino de Viturius.

– Sabe sim, Alim. Você já viveu aqui. E de certa forma, onde estamos é o Reino de Viturius ainda, mas alguns séculos a frente.

– Aquele tempo eu estava sem memória, não sabia quem era você.

Aron se senta e sorri.

– Você realmente sabe quem eu sou, Alim?

Alim se senta como Aron, ele olha pro jovem Mago.

– Você é aquele que apareceu repentinamente no Palácio, você é a pessoa que me salvou de muitas enrascadas, a pessoa a quem devo tudo praticamente.

– Tenho fresco em minha memória o dia em que você partiu, o dia em que meu irmão se juntou a Luniadi pela primeira vez e conseguiram derrotar o exército de Viturius.

Alim segura o rosto de Aron com as duas mãos.

– Não se culpe por isso, você sabia da profecia, mas ainda não estava totalmente preparado para usar sua magia, pequeno.

– Eu acho que ainda não estou, Alim.

– Claro que está, Aron. Você deu a luz de volta para o Reino de Viturius, você me salvou muitas vezes, você. -Alim sorri-.

– Obrigado por confiar em mim, Alim.

Alim pega as duas mãos de Aron e segura.

– Vou sempre confiar em você, pequeno. Você sabe o quanto eu…

Alim é interrompido por uma voz feminina.

– Quando o controlador me disse, eu não acreditei. Vocês estão detidos, Alim Naldac e Aron Nilrem!

Aron e Alim se levantam e ficam lado a lado encarando  a jovem mulher que está a frente deles. Os dois rapazes se olham. Alim estende a mão, mas sua espada não vem, parece estar presa.

– A magia está fraca ainda, Aron?

– Sim, eu preciso de mais tempo. -Aron olha para Alim-.

A mulher se aproxima dos dois.

– Não vou fazer mal a vocês dois, venham comigo!

Aron nota um anel estranho no dedo da mão esquerda da mulher, ele começa a ficar tonto e se lembra de algo muito importante.

– Adoradora de Luniadi, Alim!

Aron começa a mexer no bolso de seu casaco, e encontra o que precisa.

– Dá  sua mão, Alim!

Salina,  a adoradora de Luniadi tenta se lembrar de um feitiço eficiente, mas já é tarde, pois Aron arremessa a pedra viajante no chão, um portal se abre e suga ele e Alim.

– Droga!!! O controlador vai  acabar comigo! Deixei eles escaparem.


Bairro Industrial  (Antigo Condado de Nuvilus)

Aron e Alim são arremessados para fora do portal, os dois caem no chão.

– A gente tem que parar com isso!

– Com o quê, Alim?

– Com essas formas bruscas de viagem!

– Ela ficou com sua espada!

– Nós a pegaremos de volta, fique tranquilo, mas afinal, nós dois não estamos seguros aqui também!

– Pelo visto em nenhum paralelo. Vou dar um jeito de voltarmos para casa, não podemos cair de forma alguma nas mão dos controladores.

– Quem são eles? -Alim se levanta e estende a mão para Aron-.

Seguidores fervorosos da magia negra nesse tempo. Eles querem nosso centro de magia – Aron segura na mão de Alim e se levanta-.

– Você já está melhor, Aron?

– Sim -Aron sorri- quando voltarmos em definitivo ao Reino de Viturius, como será?

Os dois começam a caminhar pela calçada.

– Tentarei ser o melhor rei que Viturius já teve.

Aron fica cabisbaixo, Alim percebe e se coloca na frente de Aron, que para.

– Ficou triste, pequeno?

– Como ficará nós dois?

– Não ficará! Já está.

Aron fica extremamente intrigado com as palavras de Alim.

– Como assim, Alim?

– Calma! Você e eu governaremos juntos.

– Não sei se é o certo, Alim.

– Ei, pequeno, você sempre fez parte de mim. Você esteve cuidando de mim esse tempo todo, nós temos amor verdadeiro, e não queira dizer que não acha isso certo, eu sei que você e eu temos uma conexão, e agora mais do que nunca quero estar com você – Alim abraça Aron- vamos ficar velhos juntos.

– Se esqueceu que não tem mais como ficarmos velhos? -Aron levanta a cabeça e olha para Alim-.

– Eu havia me esquecido desse detalhe. Onde estamos indo?

– Um galpão abandonado aqui perto.

Alim sai do abraço e toca a face esquerda de Aron.

– Aquelas palavras não são mágicas, mas são essenciais.

– Você está falando de? -Aron sorri-.

– Depois quando chegarmos em Viturius, eu direi.

Salina surge com mais duas mulheres, todas trajando um azul escuro sombrio, elas tem nos dedos, os anéis de Luniadi.

– Dá sua mão, Alim!

– Tão rápido?

– Deixe de gracinhas, Alim.

– O pequeno está de volta.

Alim dá a mão direita para Aron, que a segura bem firme.

– Repita comigo, Alim!

Os olhos de Aron ficam totalmente azuis.

Odinab Mes Onroter ! -pronuncia Alim e Aron juntos-.

As três seguidoras de Luniadi preparam seus feitiços, tarde demais, pois são pegas rapidamente pelo feitiço de Aron e Alim. As três tentam lutar em vão, pois são removidas a pó, seus anéis caem ao chão.

– Temos que destruir isso! – Aron pega os anéis- mas aqui, não, somente no Reino de Viturius.

Aron e Alim começam a caminhar rapidamente e entram no depósito abandonado.

– Tem certeza que você está bem para quebrar o feitiço do banimento, Aron?

– Só posso tentar uma vez a cada três luas vituriosas, e hoje é a terceira, demos sorte por ter sido hoje que esse feitiço foi feito.

– Achei que ficaríamos mais por aqui!

– Venha logo, Alim!

– Qual o motivo da pressa de vocês dois?

Aron e Alim olham para um homem com o rosto todo deformado, que fica um pouco longe dos rapazes.

– Temos conta para acertar, em nome do seu Mestre Gorel, Aron. Depois que eu vencer, vou arrancar esse valioso amor de vocês e serei o Mestre de toda a magia, dessa e de todos os reinos.

– Estamos com pressa, Controlador! Olucric Ratnemele ! – Aron olha para o controlador- suas maldades nesse Reino acabam  aqui! – Aron segura a mão de Alim-.

Oieuqolb – pronuncia  o controlador-.

 Um campo de força surge  em volta do controlador.

Aron fecha os olhos, Alim faz o mesmo.

– Para o mais profundo do Reino perdido, você será banido, Odinab Mes Onroter ! – Pronuncia Aron e Alim juntos.

Uma onda de energia sai da mão que está unida a outra e acerta o controlador, que não tem chances, ele é puxado para dentro do círculo essencial, tem seu Centro de magia retirado e desaparece por completo.

– Vamos para Casa, Alim!

Os dois unem as duas mãos

– Pronto?

– Sempre pronto!  – Alim sorri-

Epmor Otneminab – Pronuncia Aron-.

Uma luz forte, de um brilho intenso surge, eles desaparecem por completo.


Reino de Viturius 

Aron e Alim aparecem na sala do trono do Castelo. Aron corre para a janela e vê Licer voando.

– Nós conseguimos, Alim! – Aron sorri-.

O sorriso de Aron vai se desfazendo, ele cambaleia, mas Alim consegue pegá-lo nos braços  assim que ele desmaia.

– O que está acontecendo com você, pequeno?

Alim começa a chorar.

CONTINUA…

Anúncios

45 comentários sobre “O Mago: Capítulo 11

      1. Mas vou parar de ficar fazendo essas brincadeiras, porque daí as outras pessoas ao lerem a sessão dos comentários vão pensar sou pevertido kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk eu sou uma pessoa pura 😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇

Então, o que você achou? Deixe sua resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s