O Outro Eu: Capítulo 8


   Hiago fica paralisado ao ouvir a voz de Juliano, ele se vira devagar e encara o amigo do irmão.

     – Eu não deveria ter deixado o Hiago ir, Juliano. Não deveria ter deixado ele voltar para aquela família.           Diz Hiago se passando por Heitor.

  Ele sua frio, pois tem medo de não estar agindo que nem seu irmão gêmeo.

  Hiago simplesmente abraça Juliano.

     – Vai ficar tudo bem, Heitor! Ele decidiu assim, nada pode mudar isso.

     – Desculpa por eu estar chorando, Juliano.

    Heitor que na verdade é Hiago se afasta com lágrimas nos olhos.

     – Não precisa se desculpar, Heitor. Vamos pra casa!

                                                                                                           

Aeroporto de São Paulo

  O verdadeiro Heitor fica nevoso quando desembarca, ele pensa não estar agindo como Hiago,  mas Gabriel o acalma.

     – Eu estarei do seu lado, Heitor!               Diz Gabriel sorrindo.

  Cecília e Sandra avistam Gabriel e o suposto Hiago, então acenam para eles.

     – Aquela é a Cecília, mãe do Hiago, no caso você.      Informa Gabriel

     – E a outra é quem?

     – Sua noiva!

   Heitor arregala os olhos.

     – Como?

     – Não acredito que o Hiago não te contou sobre isso, Heitor. Mas vai dar tudo certo.

  Cecília se aproxima de Heitor acreditando que ele realmente seja Hiago. O sangue de Heitor ferve, mas ele mantém a compostura e sorri quando é abraçado por ela. Ele encara Sandra, parece estar hipnotizado com a beleza da jovem a sua frente, Cecília solta Hiago (impostor) de seu abraço, então ele é pego desprevenido pelo beijo carinhoso de Sandra.

     – Senti sua falta!

  Sandra sorri entre os beijos seguidos.

   Heitor que se passa por Hiago mantém a postura fria, algo que o verdadeiro Hiago sempre fez, então é esboçado um sorriso da parte dele após o beijo.

      – Vamos todos para casa!           Diz Cecília sorrindo.

                                                                                                          

Casa dos Ferreira Lozzano, Município de Pedra Solta

  Hiago que se passa por Heitor tem o olhar perdido, coisa essa que causa preocupação em Juliano.

      – Você está estranho desde que te encontrei no aeroporto. Nesses dias que você andou sumido, você estava com seu irmão, Heitor ?

      – Sim, eu estava conhecendo ele melhor.

      – E ele desistiu de te ameaçar com aquela armação tola?

   Heitor (impostor) começa a ficar com os olhos marejados.

      – Acho que ele se arrependeu, Juliano.

      – Eu acho que no fundo  do Hiago existe algo de bom que aquele luxo todo não levou.

    Juliano sorri.

      – Acha mesmo?

      – Sim.

    Heitor  (impostor) aperta a mão de Juliano e sorri.

      – Obrigado.

    Juliano se levanta.

      – Eu gostaria de fazer um convite. Uma forma de você espairecer um pouco, se desligar um pouco de tudo isso que aconteceu.

    Heitor (impostor) enxuga algumas lágrimas e coloca um sorriso no rosto.

      – Que tipo de convite?

      – Vem pra Portugal comigo? Passamos um tempo por lá e depois voltamos, isso se você ainda quiser voltar, pois lá é encantador.

                                                                                                               

Mansão dos Fortunato Alvarez

   Gabriel se encosta disfarçadamente em Hiago (impostor).

       – Você está indo bem, Heitor!            Gabriel sussurra.

   Os quatro entram e se sentam nos sofás da sala. Sandra segura as mãos de Hiago, que sorri para ela. O telefone toca e Malvina,  uma velha empregada da casa atende.

       – Dona Cecília, é para senhora!              Diz Malvina.

       – Obrigado, Malvina! Vou atender no escritório.

     Cecília vai para o escritório, ela caminha com um sorriso no rosto. Malvina encara Hiago (impostor) por alguns minutos, e ele sorri para ela, que sai apressada se encaminhando pra cozinha.

                                                                                                          

     Cecília pega o telefone e coloca próximo do ouvido.

       – Ele vai viajar, mas farei com que ele vá sozinho, Cecília.    Diz a pessoa do outro  lado da linha.

        – Meu marido e eu saberemos como te recompensar. Eu só devia ter me lembrado de que essa era a cidade de tantos tempos atrás, mas agora preciso fazer algo pra remediar esse erro.     Diz Cecília.

        – Pode contar sempre comigo, Cecília. Você ajudou muito a mim e ao meu filho e farei de tudo para pagar essa dívida.

        – Você já contratou a pessoa certa?          Cecília questiona enquanto se senta próximo a janela.

        – Não tenha dúvidas. Tudo está conforme foi me pedido.

        – Fique de olho como você esteve todos esses anos.         Diz Cecília antes de desligar o aparelho.

                                                                                                           

  Casa dos Abranges Neto, Município de Pedra Solta

   É manhã de um novo dia. Juliano arruma as malas para viajar com Heitor (impostor), sua mãe, Antônia entra no quarto furiosa.

        – Você não vai viajar com aquele infeliz, Juliano. Você sabe que eu sempre odiei a mãe dele e nunca aprovei essa sua amizade com esse rapaz.

    Antônia segura a mala do filho.

        – A senhora não manda em mim. Fique com essas malas, com todas essas coisas. Vou viajar sim e ninguém vai me impedir.

     Juliano sai do quarto sem malas, Antônia tenta impedí-lo, mas ele sai de casa sem olhar para trás. Antônia pega o celular e faz uma ligação misteriosa.

                                                                                                               

Aeroporto de Pedra Solta 

     Hiago que se passa por Heitor estranha ao ver Juliano chegar sem malas.

      – O que houve?

     Juliano sorri.

      – Nada de importante. Mas a viagem continua de pé!

      – Eu já coloquei minha mala no avião.

     Juliano abraça Heitor (impostor).

      – Tenho uma surpresa pra você quando chegarmos em Lisboa.

    Os dois entram no avião de médio porte.

Continua…


|| Esta é uma obra de ficção baseada na livre criação artística e sem compromisso com a realidade|| 


#BEDO12

Anúncios

5 comentários sobre “O Outro Eu: Capítulo 8

Então, o que você achou? Deixe sua resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s