Fruto Proibido: Capítulo 5



                                         Sinfonia da Chuva

                                                                                                                    

Zona Rural de Serra Nova, Fazenda Liberdade 

    A chuva parece que não vai dar trégua. Giovanna está sentada pensando em como deve estar seu filho, pois sabe que Marcello sente muito medo de temporais como aquele. A porta da casa se abre e se fecha rapidamente, Guilhermo entra.

      – Que chuva! Caiu uma árvore na estrada assim que eu passei, onde está o Marcello?          Questiona Guilhermo sabendo do medo do filho.

    Giovanna sente medo, então faz o que acha ser o melhor.

      – Ele está no quarto dormindo, Guilhermo.      Giovanna mente.  

      – Melhor assim, pois logo essa chuva vai parar e amanhã vamos até o aeroporto embarcá-lo.         Diz Guilhermo enquanto retira a capa de chuva.

      – Você continua com essa ideia estapafúrdia de levar nosso filho para longe de nós, Guilhermo?             Giovanna questiona.

      – De nós, não! Longe dos Solaris,  principalmente daquele projeto de homem que é o Víctor Solaris.           Afirma Guilhermo.

      – Nem parece que você e o Mário foram amigos no passado!    Diz Giovanna.

      – Não começa com esse assunto, por favor!     Pede Guilhermo enquanto se senta próximo a lareira.

   Uma batida insistente na porta faz com que Giovanna a abra, e até se espanta ao ver Mário  e Juliana alí. Guilhermo de onde está consegue ver os dois, então se levanta furioso e vai até a porta.

      – O que vocês querem aqui?          Pergunta  Guilhermo sendo ríspido.

      – Queremos saber do Víctor, ele não está aqui?       Pergunta Juliana.

      – Não está, nunca deixaria um Solaris entrar na minha casa!

Responde Guilhermo.

      – Seu filho  está aí?            Pergunta Mário.

      – Que pergunta é essa? Claro que meu filho está aqui. Vá chamar o Marcello, Giovanna.         Diz Guilhermo já irritado.

  Mário e Guilhermo se encaram, parece que não restara nada da amizade que existiu um dia entre os dois primos. Giovanna não se mexe, pois sabe que Marcello não está em casa, e Guilhermo entende o silêncio da esposa, ela havia mentido.

      – Não acredito que meu filho está com o Víctor,  Giovanna. Como você permitiu isso?             Grita Guilhermo com raiva.

      – Eu acho que sei onde eles devem estar. Vou atrás deles!    Diz Mário.

      – Eu vou com você, mesmo a contragosto, pois tenho que encontrar meu filho!           Diz Guilhermo.

    Mário sai na frente indo em direção aos pés de maçãs, Guilhermo o segue. Giovanna e Juliana ficam apreensivas com tudo aquilo.

                                                                                                     

  Na velha cabana, Marcello deita no colo de Víctor, que brinca com o cabelo dele.

       – Se a gente fugisse, pra onde a gente  iria?       Pergunta Marcello.

       – Pra qualquer lugar bem longe de seu pai. A gente viveria nas montanhas, construiríamos uma casa para nós bem no alto e ficaríamos velhinhos por lá.             Responde Víctor.

       – Você teria coragem mesmo de fugir, Víctor?        Pergunta Marcello.

       – Sim, você não?          Diz Víctor.

       – Sim, fugiria com você pra qualquer lugar.        Marcello admite.

    Um raio cai bem longe da cabana, Marcello se assusta e se agarra mais em Víctor.

        – Vou te proteger, sempre!           Diz Víctor beijando os cabelos de Marcello.

        – Promete que nunca iremos nos separar?         Pergunta Marcello.

   Víctor se aproxima de Marcello e fica com a boca próximo ao ouvido dele.

        – Prometo que nunca vou me separar de você, pois te amo mais que tudo.           Responde Víctor.

        – O que você disse?          Pergunta Marcello fingindo não ter entendido.

        – Eu disse que amo você, é mais do que amizade.     Víctor responde.

    Marcello fica visivelmente envergonhado.

        – Eu te amo muito também.        Afirma Marcello segurando a mão de Víctor.

    Os garotos se olham, há o encontro dos lábios, um beijo que tem como música de fundo, a chuva forte que cai. O susto dos dois é grande quando a porta da pequena cabana é derrubada, Guilhermo praticamente voa pra cima do filho e o arranca do abraço de Víctor.

        – Você nunca mais verá meu filho, nunca mais!       Grita Guilhermo.

      Guilhermo tenta bater em Víctor, mas Mário o impede com um soco.

        – Vai embora Guilhermo!           Grita Mário.

     Marcello sai com Guilhermo, Víctor tenta correr atrás, mas seu pai o segura.

        – Não vai, filho!  O Guilhermo está transtornado, é perigoso. Espera tudo se acalmar.           Diz Mário enquanto segura o filho.

     Víctor abraça bem forte o seu pai e fecha os olhos. Marcello chora e suas lágrimas se misturam com a densa chuva que cai, ele fecha os olhos, assim como Víctor.

Continua…

#BEDS47

Anúncios

Então, o que você achou? Deixe sua resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s